Santiago do Chile - dia 03


Viagens

Vocês acharam que eu tinha deixado esse roteiro de lado, né?? errarammmmm! hehehhehehe.

Mas, devo confessar, ando deixando o Blog um pouco de lado mesmo...vamos tentar melhorar isso ai!!

Nossa primeira parada do dia foi no Cerro Santa Lúcia. Para chegar lá, basta pegar o metrô (linha 1 - vermelha) e descer na Estação Santa Lucia.


Apesar de ser bem menor do que o Cerro San Cristobal, achei o santa Lucia muuuito lindinho. Agora, vá preparada para andar!! São vários degraus, trilhas...muita coisa para ver por lá!



Quando você chega lá em cima, no último mirante, dá para ter uma vista bem bonita não só de Santiago, mas das montanhas nevadas também!



De lá, seguimos a pé para o Bairro Paris - Londres que, na verdade, são apenas duas ruas. decidi ir lá conhecer porque meu avô viu que existia esse local em algum programa de viagem e disse que eu TINHA que conhecer. 



E olha, eu achei muito fofo! Parece que você está entrando em outra cidade....tá lá, tudo meio moderno, amplo e, de repente, você dá de cara com duas vielas cheias de casinhas com flores nas janelas, construções antigas, cafés...uma coisa linda!!





Em seguida, fomos em uma outra rua bastante conhecida da cidade: a Calle Lastarria. Ela é repleta de bares, cafés, restaurantes e livrarias. Fomos a pé mesmo, é tudo muito pertinho. Lá ficava um dos restaurantes que mais nos indicaram, o Bocanariz. decidimos almoçar por lá.

Fomos atendidos por uma brasileira muito querida, a Marina, que nos explicou um pouco do funcionamento da casa. O Bocanariz é, na verdade, um winebar...e é muito reconhecido por isso. Já ganhou vários prêmios e sua carta de vinhos está entre as melhores do mundo. Uma pena que eu não tenho fotos dos nossos pratos....mas o Marido pediu o menu executivo, que vinha com entrada, prato principal, sobremesa e uma taça de vinho tinto ou branco para acompanhar. Só lembro que o prato principal dele era um peixe e estava uma delícia! Já o meu foi um conchiglione recheado com ricota e espinafre em um molho MARAVILHOSO. Achei a comida muito boa e com um preço justo, especialmente o menu fechado!

Já de barriga cheia, descansamos um pouco numa praça que tinha lá por perto e seguimos para a nossa visitação na Vinícola Cousino Macul.

Para chegar na vinícola de metrô, você tem que pegar a linha 04 - azul e descer na Estação Quilin. Quando sair da estação, vá para um ponto de taxí que tem na frente de um shopping que existe ao lado da estação (acho, inclusive, que o nome do shopping é Quilin também) e peça para te deixarem na Cousino Macul. É bem perto e o taxi da baratinho. 


Achei a visitação da Cousino Macul historicamente mais legal. Eles explicam bem melhor todo o processo de criação da vinícola, dos vinhos...se fosse época de colheita, até ajudar nós poderíamos! É uma vinícola menor e, justamente por isso, sua visitação é menos "turística" que a Concha y Toro.



A visitação custa 9000 pesos/pessoa e você encontra os horários e faz a reserva pelo site mesmo. E uma dica muito importante que eu dou: compre vinhos na lojinha da vinícola. A diferença de preço no supermercado e na loja é razoável...e entre a lojinha e o Brasil é absurda! Compramos vinhos lá pelo equivalente à 17 reais que, aqui em recife, encontrei por 50 até 65 reais. Me arrependi de não ter trazido uma caixa!!! E os vinhos são muito bons!

Depois de degustados bons vinhos, fomos pro hotel descansar já que, a noite, tinhamos reserva no Restaurante Giratório!!!


Evitem ir lá sem fazer reserva. Ele vive muito cheio, especialmente de turistas brasileiros e ninguém gosta de ficar esperando mesa, né?? no site mesmo explica como fazer reserva.



Achei o restaurante muito bonito, com um ambiente super aconchegante! Como dá para perceber, fomos a noite...muita gente prefere ir de dia, para apreciar melhor a vista...mas achei lindo mesmo assim!!! O ambiente fica a meia luz, com um piano e voz ao vivo...uma delícia!!

Pedimos de entrada um carpaccio de carne que estava muito bom! Mas acabou tão rápido que não deu para tirar fotos...hehehehehhee.



Esse foi o prato do marido e, confesso, não lembro o que era. Só lembrava que era cordeiro e, filando no menu do site, seria um "risoto de setas, puerros y chuletitas de cordero". Ele disse que estava muito bom.


Já o meu foi um escalope de filé em redução de merlot, acompanhado de batatas recheadas com queijo e camarões. Olha...devo dizer...estava MUITO BOM!! Valeu cada centavo! Eu sei que parece que não vem muita comida...mas dá para encher bem, viu??

O preço do Restaurante é ok, para a comida que ele oferece. Gastamos 35600 pesos, sem as bebidas, o que daria um total de, mais ou menos, 156 reais pela entrada e dois pratos principais. Acrescente ai a garrafa de vinho que pedimos mais as águas...

E assim acabou nosso terceiro dia de lua de mel em Santiago. esepro que vocês tenham gostado!!

Qualquer dúvida, manda ai nos comentários ou no email.

Beijos

Leia Mais...

Papo pelo Mundo: Santiago do Chile - dia 02


Viagens


Hello povo!!!

Continuando nosso roteiro por Santiago, no segundo dia decidimos fazer aquele programa turistão mesmo. Só que, ao invés de pegarmos aqueles ônibus de city tour, fomos por conta própria, explorando a cidade no nosso tempo e da nossa maneira.

A primeira parada foi na troca da guarda no Palacio de La Moneda. A troca ocorre dia sim, dia não e, se vocês quiserem ir lá conferir, clica aqui e dá uma olhada no calendário! De acordo com o mesmo site, também dá para fazer visitas guiadas ao Palácio...eles pedem para enviar um email para visitas@presidencia.cl. No site diz que são quatro horários diários de visitação. Mandei o email para agendar mas, infelizmente, eles não me responderam.

A troca da guarda vale muito a pena!! Achei bem bonita! Começa, pontualmente, as 10h e dura negócio de umas 40 minutos (eu acho). É bom chegar com um pouquinho de antecedência, para pegar um lugar legal!

Se você for de metrô, a parada é a Estação La Moneda, da linha 1(vermelha).





De lá fomos andando em direção a Plaza de Las Armas, onde fica a Catedral Metropolitana, o Teatro Municipal e outras atrações. É bem perto e legal de ir caminhando, vendo os prédios históricos.



Infelizmente, quando chegamos lá, a Plaza de Las Armas estava toda fechada para reforma, incluindo alguns de seus prédios históricos. Ainda assim, conseguimos entrar na Catedral Metropolitana e, olha, vale a visita!






Dai, chegou a hora do almoço...como o dia era turístico clássico, fomos almoçar no Mercado Central. se você for de metrô, é a estação Puente Cal y Canto, linha 2 (amarela), saída Calle Puente.





Sendo bem sincera, do mercado em si eu não gostei não...pequeno, com cheiro muito forte e garçom chamando você para comer Centolla no restaurante deles a cada 5m. Um saco...kkkkkkkkkkkkk. Por isso, recomendo o Restaurante El Galeon para comer a Centolla. Apesar de ter uma filial dentro do mercado, existem mais duas viradas para o lado de fora, exatamente nesse toldo branco que vocês podem ver na foto. É ótimo porque fica fora da confusão do local e o ambiente é super agradável, com uma musiquinha e Pisco Sour (bebida típica do Chile...tipo a nossa caipirinha) de cortesia!





A centolla é esse "pequeno" caranguejo da foto. Esse ai é um médio, que serve muito bem duas pessoas. Não façam a gordice que nós fizemos de pedir uma porção de batata frita achando que o bichinho nas nos encheria porque não vem com nenhum acompanhamento. O garçom traz ele assim para a mesa, servido apenas com um molho rosé, um tártaro e uma mistura de manteiga e alho, para você melar a carne da centolla. Depois da foto, ele vai e abre tudo direitinho pra você comer (poise, nada de trabalho) e é uma deliciaaaa!!! Tem gosto de lagosta...hehehehehehe.

Bucho cheio e algumas doses de pisco sour depois, seguimos para o Cerro San Cristobal mas, adivinha, TAVA FECHADO..quen quen quen...Justo nesse dia, os funcionários do Cerro fizeram uma greve de advertência, exigindo melhores salários e tal...tá pensando que só aqui que tem dessas coisas, é??

Com a ida pro Cerro frustrada, fomos conhecer a La Chascona, uma das casas de Pablo Neruda. É super perto do Cerro, uma rua antes de você chegar nele (Fernando Marquez de La Plata, 0192), então o ideal é você fazer as visitas conjuntas. Funciona das 10h às 18h.




Eu adorei a visitação. Conta bem a história do escritor, a casa é suuuuper conservada, do jeitinho que ele deixou e bem interessante. A visita é toda feita com áudio guia em português, o que facilita muito. Mas só pode tirar foto nas áreas externas da casa.

Dai, fomos pro hotel descansar, já que tínhamos reserva no restaurante Como Água para Chocolate (Constitución 88) para o jantar.




É SUPER importante fazer a reserva antes...claro que você pode dar a sorte de conseguir mesa sem reserva mas pra que arriscar? 
As reservas são feitas pelo site do restaurante. Clica aqui para ir lá!

O Como Água não foi, nem de longe, meu restaurante preferido nessa viagem. Vale ir pelo ambiente e pelo apelo turístico mesmo, por causa do filme e tal...mas a comida eu achei bem normal para os preços praticados.




Já a sobremesa....fechou com chave de ouro o nosso dia!!! Era algo como mousse de trÊs chocolates com calda de framboesa....não lembro direito....


E esse foi o nosso segundo dia em Santiago!!!

Beijos!

Leia Mais...

Papo pelo mundo: Santiago do Chile - dia 01


Viagens



Oi gente!!

Vou começar hoje a falar sobre o nosso roteiro da lua de mel para Santiago, no Chile. Quem sabe eu não ajudo um pouco vocês, né??

Santiago tem sido uma viagem muito procurada por brasileiros por vários motivos: o clima (é possível ver neve nos meses de inverno), o preço, que chega a ser similar à cidades brasileiras e a possibilidade de comprar passagens por milha, pela mesma quantidade de pontos de destinos nacionais.

Saímos de Recife no dia 24/11, as 22:37. Como nosso voo para Santiago só saia às 07:25, tivemos muito tempo para aproveitar o freeshop, fazer um lanchinho e cochilar nos bancos...hahahahahaha.

Chegamos em Santiago às 10:30 e seguimos para o nosso hotel em umas vans coletivas, que custavam 6000 pesos/pessoa. O guichê é localizado logo após o freeshop, ao lado da casa de câmbio.

 Falando em dinheiro, duas dicas importantes:
1) leve uma calculadora, ela será de grande valia para você entender os preços de Santiago...são muitos zeros envolvidos.
2) Deixe para trocar seus reais lá em Santiago mesmo...e, no aeroporto, só troque o estritamente necessário, a cotação lá é péssima!!! Basta dizer que lá compramos 219 pesos para cada real e, nas casas de câmbio do cruzamento da Augustas com a Ahumada chegamos a pegar 227 por real. Alias, a cotação varia muito de um dia para o outro...trocamos dinheiro umas três vezes em uma semana, para aproveitar melhor a variação de câmbio.

Não dei muita atenção ao freeshop de entrada, Só dei uma sacada nos preços dos perfumes que eu estava qurendo, para comparar com os de São Paulo e olha, a diferença era de uns dois dólares só...achei mais vantajoso comprar as encomendas em São paulo, que dava para dividir em 10x no cartão (lisa! kkkkk).

Ficamos hospedados no Ibis Providencia. A localização do hotel é excelente! Providencia é o melhor bairro para ficar hospedado, é super central e o hotel ficava uma quadra da estação de metrô, o que facilitava MUITO a nossa vida. Mas o hotel, em si, não é, nem de longe, o melhor da Rede Ibis. O pessoal era super atencioso...mas achei o quarto mais apertado que o normal, com toalhas e lençóis já desgastados e um café da manhã super básico. Ainda assim, foi o melhor custo x benefício para nós, que não queríamos arriscar alugar um apê (muito comum em Santiago) e entrar em uma furada em plena lua de mel.

Decidimos fazer o passeio para a vinícola Concha y Toro no mesmo dia da nossa chegada, para não ficar com um dia perdido. Como vocês devem saber, é a vinícola mais popular de Santiago e, justamente por isso, recomendo muitíssimo que vocês reservem o tour pela internet. O site deles é ótimo e dá para fazer isso de boa. 


A vinícola é bem afastada, mas dá para ir de metrô se você, como nós, quiser economizar...mas saia com 1h de antecedência, mais ou menos, para não correr o risco de perder seu tour!!

Como chegar: Pegue o metrô e desça na estação Las Mercedes (Linha azul). Do centro até à estação Las Mercedes é quase 1h15m de viagem. Na saída da estação você pode pegar um táxi ou pegar o metrôbus nº 71, 73, 83 e 84. Do metrô até à vinícola de táxi são cinco minutos. De ônibus, em 15 minutos você está lá.



A Concha y Toro é suuuuuper bonita e eu achei o tour por lá muito legal. Existem duas possibilidades:

1) Tour Tradicional:
- Parque, jardim e casona;
- Jardim de variedades de uvas e vinhedos;
- Degustação de vinho;
- Bodegas de guarda e Casillero del Diablo;
- Degustação de vinho e taça de presente.
VALOR: $9000 pesos ou $18
DURAÇÃO: 1h aproximadamente
IDIOMAS: inglês, espanhol e português

2) Tour Marques de Casa Concha:
Mesmo roteiro do tour tradicional só que, ao final, se faz uma degustação de vinhos tops da casa com explicações de uma sommelier.
VALOR: $19000
DURAÇÃO: 1h30 aproximadamente
IDIOMAS: espanhol e inglês.

Optamos pelo tour Marques de Casa Concha e não nos arrependemos. recomendo demais essa opção se você gosta de vinhos ou quer simplesmente viver uma experiência diferente. Seguimos em um grande grupo no tour tradicional, conhecendo a propriedade e os vinhedos.





Durante esse passeio, acontece a primeira degustação. Logo em seguida, segue-se para o local onde será contada a lenda do Casillero del Diablo. mas não vou contar nem mostrar foto para vocês, para manter o mistério...hahahahhahahaha. Na sequência, acontece a segunda degustação e, após isso, encerra-se o tour tradicional e começa a degustação especial com o sommelier para quem optou pelo tour Marques Casa Concha.


São quatro taças com os diferentes vinhos da linha Marques de casa Concha, acompanhados de queijos para harmonização e uma torradinha esperta. Achei muito legal as explicações sobre cada vinho, sua textura, seus aromas...e gente, os queijos são MARAVILHOSOS!!! E é impressionante como, realmente, cada queijo combina melhor com um tipo de vinho...esse negócio de harmonização é sério!!!

Essa parte dura mais ou menos meia hora e eu sai de lá bem alegrinha, afinal, não tínhamos almoçado, estávamos só com a comida do avião no bucho!

Na vinícola também existe um pequeno restaurante, que todo mundo recomendou mas que acabamos não comendo para testar e, obviamente, uma wine shop. Acabamos comprando três vinhos por lá...mas não exatamente por ter preços muuuito abaixo dos praticados no mercado...apenas compramos edições que nunca vimos aqui no Brasil. Claro que os vinhos são mais baratos do que aqui mas, no caso dos da Concha y Toro, não era uma diferença gritante.

Depois, pegamos uma van que tinha lá até a estação e pegamos o metrô para voltar ao hotel. Não tivemos coragem de sair para mais nada....juntou o cansaço com os vinhos...só fizemos tomar um banho e cair na cama!!!

Ufa...eu sei que o post ficou gigante...mas é que eu gosto de ser bem detalhista mesmo!!!

Espero que ajude!! Qualquer dúvida, pode mandar comentário ou email, ok??

Beijos!!!







Leia Mais...

Diário de Bordo: Colonia De Sacramento


Viagens

Sim...eu sumi de novo...mas juro que o motivo foi justo!! Mas vamos voltar ao post...

Como eu falei por aqui, fui passar uns dias em Buenos Aires. Já conhecia a cidade mas, como fui com dois casais de amigos que não conheciam, acabei repetindo a maioria dos passeios da primeira vez. Mas uma das novidades foi atravessar de buquebus e ir conhecer Colonia de sacramento, no Uruguai. Foi tão legal que eu achei que merecia um post por aqui!

COMO CHEGAR?

A travessia do rio é feita através do Buque Bus. Existem três empresas que fazem o trajeto: a Buque bus, a Colonia Express e a Seacat. Eu fui pela Buquebus mesmo, que é a mais tradicional. O trajeto demorou 1h, feito pelo buque rápido. É importante saber que também existe o buque lento, que faz o trajeto em 3h. É mais barato mas eu acho que não compensa muito...

terminal de embarque

para embarcar você precisa levar documento de identificação (identidade ou passaporte para os brasileiros) e o papel que você recebe quando entra na Argentina, com o carimbo de imigração (caso você tenha entrado com a identidade). Afinal, é uma viagem entre países ..você receberá o visto de entrada para o Uruguai.

Buquebus

O Buquebus é super confortável! E olha que ainda existe uma primeira classe. Tem tipo uma lanchonete vendendo uns sanduíches e bebidas e, lá embaixo, um free shop ! Não achei que os preços compensavam muito...só a parte de bebidas...mas vale dar uma conferida!!!

COMO SE DESLOCAR EM COLONIA?

A cidade não é tão pequenininha como parece. Mas a parte mais turística fica mesmo no centro histórico. Existem várias maneiras de chegar lá: você pode ir andando, alugar um daqueles carrinhos de golfe (para isso, o condutor tem que estar com a carteira de motorista), bicicletas (nossa escolha). Assim que você sair do prédio onde ocorre o embarque e desembarque verá locais para alugar os carrinhos ou bicicletas. Eu recomendo demais se jogar nas bikes!! A cidade é super arborizada, dá pra pedalar tranquilo e ainda é um jeito diferente de conhecer!!

Sim...a pessoa tava de saia e sofreu pra não pagar calcinha...

O aluguel da bicicleta custou o equivalente a vinte reais por 4hrs...achei bem razoável!

Pedalando pelas lindas ruas de Colonia



O centro é basicamente todo assim, lindinho!

ONDE COMER?

Bom...existe uma infinidade de restaurantes por lá, para todos os gostos e bolsos. Saimos daqui decididos a almoçar no La Florida (Odriozola ex Florida 215, junto al porton de campo), muito bem recomendado pelos viajantes.

O restaurante fica na casa dos proprietários. Carlos é o cozinheiro e sua mulher (que eu esqueci o nome) é quem serve as mesas. Vá com um pouquinho de paciência...como eles cuidam de tudo pessoalmente, pode demorar um pouco...mas, para ser honesta, eu nem achei que demorou mesmo..=)

Decor do restaurante

Ai eu comi o que considero a melhor comida da viagem. Primeiro que a encobierta estava ótima. Não sei se vocês sabem mas, tanto na Argentina quanto no Uruguai, eles cobram uma taxa de "encobierta". Oficialmente é uma taxa pelos pratos, copos, talheres que você vai usar...mas ai eles sempre colocam uns paezinhos de entradinha pra enganar a gente. No caso do La Florida, o pão estava quentinho, assado na hora, com uma manteiga deliciosa. A gente gostou tanto que eles, gentilmente repuseram os pães mais duas vezes...hahahahahahhahaa

Minha escolha

Gente...vocês não tem ideia de como tava bom isso ai não!!! Esse molho era delicioso!!! 

É importantíssimo dizer o seguinte: o restaurante só aceita dinheiro (efectivo). E a conta não é das mais baratas (embora compense cada centavo). Eles aceitam dólares, pesos uruguaios, pesos argentinos, real...minha recomendação? LEVEM REAL. Eu não me dei ao trabalho de adquirir pesos uruguaios (embora no embarque tivesse uma casa de cambio) mas, tampouco, levei reais. Carreguei os meus pesos argentinos mesmo...e eis o fumo: como a moeda deles tá mega desvalorizada e a louca da presidenta não tá permitindo que a galera compre real/dólar/etc, eles botam a cotação dessas moedas super boa pra, assim, conseguir com que o turista pague em outra moeda que não o peso argentino...e isso tá acontecendo no Uruguai também...basta dizer que a nossa conta deu 280 pesos/pessoa (equivalente a 140 reais) ou 70 reais. Metade do preço gente!!!

Os donos do restaurante são super simpáticos..Vão lá sem muita pressa e puxem papo, principalmente com o Carlos! Ele adora brasileiro e, principalmente, adora falar! hahahahhahaha

O QUE FAZER EM COLONIA?

Andar, gente. A atração de Colonia são suas ruas. Sei que tem alguns museus, um farol aberto à visitação...mas nosso tempo foi muito curto, não deu pra ver muita coisa...Mas explorar a cidade já vale demais!!!

 Minha fixação por postes só aumentou em Colonia

Esse é o tal Porton de Campo. O La Florida fica ao lado! 

Pagando de modelo pelas ruas...


Quero morar nessa casinha!!!!!


O namorado fazendo pose...


Uma estação de trem no meio do nada...


DUAS PARADAS OBRIGATÓRIAS!!

Depois do almoço, pare para tomar um sorvete!! Escolhemos a boa e velha Freddo mesmo porque, acreditem, não tínhamos ido em nenhuma em Buenos Aires ainda!



 Depois do sorvete, continuem explorando a cidade. Ai, quando a sede começar a bater, pare numa bodega e peça uma cerveja! Dê preferência à Patrícia, cerveja uruguaia que, cá entre nós, deixa a boa e velha Quilmes no chinelo!!!



Depois de se refrescar nessa maravilha ai, deu a hora de ir embora...=(

Podem ter certeza, quero voltar em Colonia com mais tempo!!! É uma cidade linda e com uma série de coisas para serem vistas. É pequena e tranquila..não espere badalações...mas pode ter certeza que você vai adorar o clima de interior da cidade!!


Tchau proces!!!

Espero que tenham gostado!!!!

Beijos

Leia Mais...